Porto Alegre | RS | 51 3331.5423 | judithvscliar@gmail.com
História da Vacina

A história da vacina se inicia há mais de mil anos no Continente Asiático, onde os chineses, haviam desenvolvido a Variolização, que era o contato das secreções de pústulas de indivíduos infectados para indivíduos sãos, para induzir quadros leves da doença. Não era um método sem riscos, com taxas de letalidade de 1% a 2%, contra cerca de 30% da doença natural, que se propagou pelo continente asiático e africano, chegando a Europa no início do século XVIII.

EDWARD JENNER, um médico inglês, nascido em Glouscesteshire (1749-1823) observou que um número expressivo de pessoas mostrava-se imune à varíola. Todas eram ordenhadoras e tinham se contaminado com cowpox, uma doença do gado semelhante à varíola, pela formação de pústulas, mas que não causava a morte dos animais. Após uma série de experiências, constatou que estes indivíduos mantinham-se refratários à varíola, mesmo quando inoculados com o vírus.

Em 14 de maio de 1796, Jenner inoculou James Phipps, um menino de 8 anos, com o pus retirado de uma pústula de Sarah Nelmes, uma ordenhadora que sofria de cowpox. O garoto contraiu uma infecção extremamente benigna e, dez dias depois, estava recuperado. Meses depois, Jenner inoculava Phipps com pus varioloso. O menino não adoeceu. Era a descoberta da vacina. E como eram as ordenhadeiras que desenvolviam cowpox e não adoeciam, daí resultou o nome do latim: vaccínia.

A partir de então, Jenner começou a imunizar crianças, com material retirado diretamente das pústulas dos animais e passado braço a braço. Amostragens chegaram ao Brasil em torno de 1840, trazidas pelo Barão de Barbacena, sendo utilizadas principalmente na proteção de famílias nobres. Posteriormente, o cirurgião Barão de Pedro Afonso, criou um Instituto privado para o preparo de vacina anti-variólica no país, sendo mais tarde encarregado pelo governo de estabelecer o Instituto Municipal Soroterápico no Rio de Janeiro, posteriormente, Instituto Oswaldo Cruz.

Mas a Vacina não foi muito bem aceita no Brasil, e em 1904, estourou a “Revolta da Vacina”, na então capital Rio de Janeiro, que passava por um período conturbado pela crise econômica e sanitária, com um Sistema de Saneamento básico falho, que repercutia em frequentes epidemias de febre amarela, peste bubônica e varíola.

O médico e sanitarista Oswaldo Cruz foi designado pelo presidente para ser o chefe do Departamento Nacional de Saúde Pública, com o objetivo de melhorar as condições sanitárias da cidade.

A vacinação contra a Varíola era obrigatória e mesmo seu objetivo sendo positivo, foi aplicada de forma autoritária e violenta, com agentes sanitários invadindo casas, ocasionando destruição de bondes e apedrejamento de edificações públicas, e culminaram com a Revogação da Lei da Vacinação Obrigatória, em 16 de Novembro de 1904, pelo presidente Rodrigues Alves.

Postado em 9 de junho, 2016 | Blog | Nenhum comentário
Dicas de Sites de preparação para o USMLE

Dicas do Dr. Carlos Eduardo Cunha que participou do workshop com teste simulado do USMLE com o Dr. Márcio Chedid dia 21 de março. O Dr. Carlos Eduardo está se preparando para as provas do USMLE e deu algumas dicas muito interessantes:

  1. Consultar o site do NBME (https://nsas.nbme.org/home) cuja utilidade é  fazer testes diagnósticos. Sugiro  fazer no mínimo 3 testes durante a preparação, tanto o Step 1 quanto o Step 2CK  (Clinical Knowledge). É necessário pagar $60 (dólares)  para ter acesso a cada teste; A utilidade destes testes é justamente saber como está sua preparação; é como se fosse uma foto do seu desempenho naquele momento, uma vez que o testes vem com o score correspondente.
  2. O site UWorld (usmleworld.com) é um qbank com mais de 2 mil perguntas similares ao board que dão ao candidato um  feedback após cada questão feita. É de grande ajuda para as pessoas que preferem uma preparação com mais interatividade. Eu utilizei como meu método principal de estudo.
Postado em 3 de abril, 2016 | Blog | Nenhum comentário
Curso Intensivo de Inglês Médico

curso-intensivo-ingles-medico

Postado em 3 de abril, 2016 | Blog | Nenhum comentário
Workshop sobre USMLE

workshop-usmle

Postado em 17 de março, 2016 | Blog | Nenhum comentário
Caso clínico: Management of Upper GI Bleeding

NYU Medicine Grand Rounds Video Archives 2013-2014:
Helene Strauss, M.D. Clinical Vignette
3/6/2014
Management of Upper GI Bleeding

Acronyms and Abbreviations used during the presentation:

History of Present Illness:

yo: year old
EMS: Emergency Medical Services
yrs: years
ETOH: ethyl alcohol

Physical Examination:

T: Temperature
BP: Blood Pressure
HR: Heart Rate
RR: Respiratory Rate
2L NC: two liter nasal canula
RA: Room Air
Extr: extremities
HEENT: head, eyes, ears, nose, throat
CV: cardio vascular
AT: atrial flutter

Laboratory Findings:

CBC: complete blood count
WBC: white blood count
N: normal
Hgb: hemoglobin
Hct: hematocrit
BUN: blood urea nitrogen
AST: aspartate aminotransferase
ALT: alanine aminotransferase
Alk Phos: Alkaline Phosphatase
Bili: Bilirubin
Prot: Protein
Alb: Albumin
INR: International Normalized Ratio
PTT: prothrombin time
BNP: beta natriuretic peptide

Other Studies:

ECG/EKG: electrocardiogram
CT:computed tomography
PE: Pulmonary Embolism

Working on a differential diagnosis:

CHF: Congestive Heart Failure
vs: versus

Emergency Department Course:

ED: Emergency Department
IV: Intra Venous
BP: Blood Pressure
HR: Heart Rate
SQ: subcutaneous
ICU: Intensive Care Unit

Hospital Course:

IVF: intravenous fluids
BUN: blood urea nitrogen
TTE: transthoracic echocardiography
EF: ejection fraction
LV: left ventricle
RV: right ventricle
Chest CT with PE protocol
CT: computed tomography
PE: Pulmonary Embolism

Hospital Course Day 6:

PRBCs: packed red blood cells
GI: gastro intestinal
EGD: esophagogastroduodenoscopy

Hospital Course Day 7:

EGD: esophagogastroduodenoscopy
w/o: without
cc – cubic centimeter
PPI drip: proton pump inhibitor drip

Hospital Day 10 to 12:

H: pylory: Helicobacter pylori
Ab:absent

Day 13:

IR: Interventional radiology

Day 14:

PO: per os (per mouth, orally)
BID: twice a day (bis in die)

HD#41 (Hospital Day number 41)

Postado em 13 de março, 2016 | Blog | Nenhum comentário

« Página anteriorPróxima Página »